quarta-feira, 6 de junho de 2012

Negativo

Eu me ergo em esperanças frágeis...

Sinto que vai ser verdadeiro, sorrio, me empolgo, sonho longe...

Mas daí o negativo me acorda e me mostra que a secura é minha marca.

Não sei o por que disso. Aliás, sei uma parte.

Que triste. Eu seria boa.

Mas a natureza tem disso e eu fui a infeliz da vez.

Sozinha.

Feita pra ser só.

Vazia.

Oca.

Sem Vida.

Negativo.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Pedido de vida

Quando o fim da vida se apresenta como uma possibilidade real, a vida fica aflita, com o peito apertado, os olhos encharcados e aquela sensação de que se fez pouco, falou pouco, cuidou pouco, amou pouco.

É assim que me sinto agora.

Quero acreditar com toda alma que existe um Deus capaz de operar milagres, bondades, restaurações.

Não quero que os meus se vão. Não quero que ela se vá.

Não posso acreditar que células loucas a devoraram até o fim. Que fome de morte é essa???

Bem, ainda não é o final...

Dê vida onde falta!!!

Venham aqui para nos ajudar forças positivas do universo!

Estou pedindo humildemente, ajude-nos a vivermos mais na sua companhia.

De todo jeito, quero deixar registrado que a amo, admiro, e agradeço aos céus por termos convivido até aqui.

Força!

Tudo vai dá certo!!

Tô torcendo por você!!

Te adoro tia!

quinta-feira, 3 de março de 2011

Noite Fértil

Agora ao som de uma música qualquer volto.

Antes a dor era intensa e a angustia me prendia a uma transição carniceira.

E foi, porque como diria minha vó Santa: não há bem que dure e nem mal que perdure.

Mas sei lá, tem uma coisa assim, de viver em busca, de viver com uma ponta de falta.

E não falta específica de alguém ou de alguma coisa, só falta de falta, de saber que o que existe não preenche, não dá conta.

Incompleta. É! Agora sou assim. Abandonei o vazio e o que consegui foi a incompletude.

Tá bom.

De vez em quando tem uma lembrança, um gesto, um telefonema que me faz dá um sorrisinho e pensar de maneira doce, terna e calma.

Eu tento. Eu to tentando.

Me conforto pensando que o resto do mundo também é assim.

Você é assim?!



O 2011 começa em Março!

Não escrevi aqui nesse novo ano ainda!

Talvez a demora se dê por que ando muito cheia, pouco vazia.

Mas mesmo cheinha vim pra cá: saudade...

Ah! Vá! E também porque eu estou sentindo coisas que só dá pra contar pra você mesmo.

Se bem que eu não vou contar, contar assim tim tim por tim, mas vou insinuar...

E é bem por aí mesmo, uma coisa de insinuação, de pega não pega, de encosta de leve só pra sugestionar.

Talvez se o meu marido vier a ler essa postagem, vai achar que eu tô flertando por aí, mas não é isso my love, eu juro.

Na verdade é um flerte, mas não com outro ser humano, mas com quase todo o resto.

sábado, 20 de novembro de 2010

Criatura Estranha

Não sei porque fiquei tanto tempo longe daqui, mas sei que hoje não tenho outro destino.

A dias me sinto estranha, fisicamente estranha, estragada, estarrecida, esvaziada.

Meu corpo ardeu, me deixou mole, cansada, sem forças, com dores. As vezes eu soube o motivo, outras não. Até uma unha inteira eu perdi de uma só vez.

A fome vem tímida e eu me canso.

Não sei o que há, mas sei que não é bom.

Choro.

Me drogo.

Agora fico prostrada.

O que era dor externa me penetra, me bagunça, me faz visitar a tristeza e conversar horas e horas com ela.

Tem gente que a evita, mas eu não, viramos amigas a algum tempo.

Se eu quisesse, me sacudia, me erguia e me tornava dia outra vez, e daí, ah sim! E daí esse negócio todo se exauria, e aquela criatura estranha resurgiria.

Porém, não quero, não ouso, só me recolho.

Não é só uma choradeira por asneiras sem fim. É um gritar desesperado por mais uma dose dakela droga, aquela maldita droga chamada felicidade. Eu me viciei nessa desgraça e agora padeço em tratamento eterno.

Meu corpo mesmo limpo ainda tem recaídas, ainda me deixa aqui assim, doente, febril.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

FELIZ ANIVERSÁRIO!

Agora são 27!

Devem ser calmos como o dia de hoje.

Recheado de algumas pessoas mas repleto de amor.

A vida vai se resumindo e se expandindo, e o momento agora está concentrado, diminuto...

Serão anos que valerão ainda mais a pena.

Aqui tudo se encaixa.

Vamos em frente que a há muita vida pra se viver.

Feliz aniversário pra mim!

=D

quarta-feira, 17 de março de 2010

Dos momentos de solidão


Agora é noite e eu estou sem ninguém por perto.


Abdiquei da companhia dos meus para estar aqui de vigilia.


Fico no posto. Mas sinto-o densamente.


As vezes tenho certeza de que só assisto a vida passar por mim; que não faço benéfico, e em contrapartida, diversas atitudes maléficas.


É, eu vejo a vida passar.


O bilhete para ser passeigeira eu consigo ver que estar à venda, mas o preço é alto, e eu estou murrinha, não quero pagar.


Isso me chateia. Quero mais e não faço nada por isso.


Isso me envergonha.


Que coisa mais feia Michelle!!


Acorda!!! Que a vida é dura só pra quem é mole!!!


Mas agora é noite, me rendo ao cansaço da expectativa.

sábado, 20 de fevereiro de 2010

Precisando falar


Hoje eu passei a primeira noite na minha nova futura casa.


Foi como se tivesse dormido milhões de noite por lá. Nada pareceu muito novo.


Mesmo assim eu me senti muitíssimo bem, segura e tranquila.


A cia dele proporciona a mesmice e a novidade, a calma e a urgência.


A casa é só mais um lugar, mas a nossa união, não!!!


Meu amor é tão diferente do que eu me acostumei a amar. Até eu mesmo fico em dúvida, em choque, em prantos.


Isso é o mais novo que há: esse amor que agora ocupa meu peito, que vai além de tudo o que quis, ou fica aquém, não sei bem, mas sei que aquece, que conforta, que goza, que dá em casamento.


Uma vez eu li na numerologia que sou o número 5, o número dos exageros e intensidades. De repente, sou mesmo. Um exagero só, mas que agora se exagera em sentir um pouco de amor.


Sem erupções, sem convulsões, mas com imensidão.


Preciso falar tudo isso. Preciso muito. Preciso sempre. Agora e sem fim.

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Momento indeciso

Vi um filme agora a pouco.

Como sempre, a arte mexe comigo. Me deixou pensativa e fez vir parar aqui.

Pensava sobre o amor.

Fiquei meio mole, meio triste e um tanto insegura.

Daí quando abri o blog li o último texto, e me senti reconfortada, porque outras emoções completamente contrárias também já me trouxeram pra cá.

Ai Deus!

Mudar de vida é assustador!!!

Me ajuda.

sábado, 16 de janeiro de 2010

Preparativos para a vida nova

Parece que 2010 é o ano da minha vida!!!

Espero que graças divinas estejam ao meu lado!!!

Em fevereiro tenho minhas celebrações da formatura!!!!

Missa, colação e baile.

Em março é o meu chá de panela e em junho é o meu CASAMENTO!
´
Meus dias estão girando entorno dessas festas. Essas comemorações modificam minha vida definitivamente.

Ser uma senhora casada é algo muito engraçado. Não consigo ainda pensar em como vai ser essa nova etapa da minha vida, mas a quero muito!!!

Adoro meu noivinho!!! Vamos juntos construir uma vida que vai valer a pena. Vamos ter filhos, vamos amá-los e educá-los com total responsabilidade e sensibilidade....Quero ser mãe, ser mulher, ser eu e ser feliz.

A vida caminhou pra isso. Não são só regras da sociedade. São regras internalizadas e por mim e que, por isso mesmo, me definem, me dão chã e estabilidade. Me localizam nessa sociedade castradora e alienante.

Mas o que eu mais quero é ter cada vez mais pessoas ao meu lado que eu amo e que me amam também. Ocupar o mundo de pessoas boas, geradas no que eu tiver de melhor. É... Ter uma família.... É isso! Eu quero isso!!!

Não vejo a hora do meu casamento chegar!!!

Quero enfrentar as dificuldades da vida a dois com dignidade, com coragem e com força. Quero junto ao meu futuro marido ter vida e "vida em abundância". Quero e vou ter uma casa que mais que um abrigo será um lar, um canto de aconchego e de imensa felicidade.

Vou me esforçar muito pra que seja uma vida muito boa, repleta do meu melhor, transbordando esse amor que agora enche meu peito e escorre pelos meus dedos, transformando-se nessas palavras.

Acredito que a felicidade é uma conquista diária, e mais ainda: é uma decisão. E mesmo assim não é simples e nem perene. Vou me empenhar!!! Vou mesmo!!! Vou crescer, amadurecer e me reproduzir com tudo o que tenho direito, e assim, quando a morte chegar, vou ter vivido a vida que valeu a pena.

Eu e você, Rodrigo. Nós dois, nos tornando um cada vez mais. Sendo um para outro o ponto de equilíbrio, de apoio, de paz e de união. É com você meu querido que vou perante Deus e a humanidade assumir a nossa aliança de amor.

Que ano maravilhoso!!!

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Outra vez!


Se eu fizesse as contas dos últimos fracassos estaria alarmada pela gigantesca quantidade!!


Ainda bem que eu estou só quantificando na memória, e sempre posso esquecer alguma.


Se bem que eu ando consciente de que nãovai dar certo. Eu digo isso pra mim mesma e pra quem quiser ouvir, e não por que eu sou pessimista, mas porque eu sou realista, me conheço e sei que ando fazendo pouco por mim.


É frustrante.


É a vida que eu escolhi levar: desfocada, na marola que vier.....


Preciso tomar um jeito.


Tá foda, viu!


Mais um não pra minha bela coleção.


sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Mentiras

Não consigo entender como meu peito aperta tanto.

Acho que sou muito medrosa, preguiçosa....

Se for pra ser sempre assim o que adianta eu tentar fazer algo??

As tardes aqui ou na Grécia, tanto faz, o externo não me muda, não me adentra, não me ilumina.

Meu eu é cinza escuro, e de vez em quando fica cinza claro.

Deve ser por isso que eu sou tão tediosa.

Coisas começam, terminam e tudo em mim fica igual, ou então, pior.

Sinto injustiças me acomentendo, me constrangendo, me suficando.

Mas daí olho nos olhos dela e digo que vou ir adiante, que elas não vão me parar, mas ainda assim sinto um cansaço, uma fadiga, uma vontade de deitar na cama e tornar espuma, dakelas bem vagabundas, que rapinho tomam outras formas e perdem a fofura.

Ai que preguiça!

Mas de repente eu só sirvo pra isso mesmo. Nada de muito efusiante, e nada de muito bonito.
´
Fico observando como meus sonhos são sempre sósonhos. Como as coisas dão errado, e como as coisas mesmo sendo boas me arrocham.

Não entendo. Ou entendo.

Eu viva num mundo tão colorido. Só pode ser problema de vista que a gente tem na juventude e depois vai ficando bom dos olhos e vendo a vida nas cores que é ela é de fato.

Tão calor.

Tão bagunçado.

Tão atrasado.

Fazer o que?!

domingo, 1 de novembro de 2009

No meio da madrugada!

Fazia tempo que não escrevia por essas horas!

É tarde!

Eu estou com sono e cansada.

Nenhuma novidade.

Mas não estoue m casa, e agora a algazarra dosoutrtos não me deixam dormir!

Fico muito agitada!

Dezesperada!!!!

Os assuntos que ouço não me interessam e agora, pra tentar fazer algo menos inutil, vim aki escrever.

Acho que ão vou ser muito bem sucedida, mas enfim, não tenho mais o que fazer mesmo.

As atividades são todas muito chatas e tudo que eu queria era estar bem, kentinha e inconsciente na minha cama.

Eu quero a paz do sono dos justos, dos injustos, tanto faz, só quero sono, silêncio, e a paz.

Meus olhos pesam, acho q devo ir pra cama, tentar dormir,

Meu sonho é deitar e conseguir dormir!

Essa está sendo uma madrugada muito difícil.

Vou tentar mais uma vez!

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Fui pedida em casamento!




Pois é?


Aconteceu oficialmente!


Hahahahha!!!


hoje, diante de uma caixinha com alianças douradas eu ouvi o pedido:


QUER CASAR COMIGO?


Eu abracei e disse sim. A resposta esperada por ele.


Vi aquele anel sendo colocado no meu dedo e depois coloquei um no dedo dele.


Foi bonito, simples, numa manhã de sol ardente.


É....


E agora?


Não sei o que pensar!

Pitty - ME ADORA

video

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Me sinto tão angustiada





Tem uma coisa apertando meu peito, me fazendo ficar com dor e sem ânimo.


Fico decepcionada comigo, me perguntando porque as coisas estão assim??


O pior é quando encontro as respostas e não tenho como mudá-las! E pode acreditar!!! Eu não tenho como mudá-las, ao menos agora.


A vida vai passando e eu vou me sentindo cada vez mais distante dos sonhos, das felicidades e dos sucessos!!!


Tudo ficou muito vazio!


E eu fiquei muito gorda!


Agora só me restam os restos!!!


Meu espírito é grande demais para as sobras!!!


Eu não vejo saída!!!


Aliás, vejo sim, mas ela exige muito esforço e eu estou tão fraca, pesada e desanimada!!


Essa angustia me consome e me faz fechar os olhos sme vontade tornar a abrí-los!!!


Queria as pessoas que eu amo ao meu redor, elas me passam energia, mas pelo visto, eu as amo mais do que elas me amam, porque estou aqui só e sem ninguém pra acalentar!!!


Meu peito rasga de tanta solidão!!!


Quero urgente outra vida!!!!


Não aguento mais tanta derrota!!!


Qualquer coisa que me deixe viva!!! Qualquer coisa que me dê uma alternativa!!!


Ai que angustia!!!

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Inveja




Queria tanto estar assim também.


Queria tanto sentir como se nada mais na vida importasse além disso.


Queria tanto dormir e acordar querendo.


Queria tanto que o coração acelerasse e que o estômago revirasse.




A vida é estranha mesmo! Mas fazer o quê? Eu não quero ir embora dela!!!


Quem sabe um outro dia isso não acontece? Quem sabe eu bato com a cara na parede e tudo surge de novo!!!


Quando fecho os olhos fico meio triste. O que já foi não me deixa mais feliz; e, o que é também não.


Quero me perder nisso!!!


Ai, que saudade de ser intensa e preenchida!


Quando mais nada me vinha a cabeça, o corpo todo me sequestrava pra saudade dos momentos felizes, e que eu sabia, que mais tarde, se repetiriam.


Que inveja de quem deita querendo ainda mais e acorda ansioso pelo reencontro.


Que inveja de mim mesma, que já fui assim, e agora sou só pedra, pó, cinza, e sem graça.


Por onde anda a Michelle feliz??!!


*****************************************************************

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

O retorno

A uns dias atrás assisti a exumação do corpo do meu avô paterno. Ali deitado, de terno, na solidão da tumba eu o reencontrei.

Isso não estava previsto. Quando vi o caixão fechar e o enterro terminar fiz minha despedida definitiva e não pensei em torná-lo vê-lo, no entanto o vi, e o presente se fez passado ou o passado se fez presente.

Tudo era real, eu e o morto, o morto que era morto e enterrado, agora era só um morto.

Era a angustia da despedida outra vez. Era a solenidade do caixão carregado, e as orações pelo desconhecido novamente.

Meu peito se encheu da funebre saudade.

E o passado foi enterrado de novo.

Nessa tarde vi o último capítulo da novela uma vez mais. Ouvi aquela música um última vez outra vez. Muita vez! Muitas chances do passado virar o agora!

Eu me sinto atordoada! O futuro não me salva do que já foi! E eu sinto.... sinto.... e sinto...

Vou me inundando de coisas que já são conhecidas, mas se fazem e se refazem com tanta veemência que ocorrem inéditas de novo.

Pra todo lado que olho me reencontro, são pontes, brechas, signos de tudo o que foi e continua sendo, e vai se somando àquelas novas coisas que vão surgindo e eu vou expandindo. me abrindo, me inflando, inflamando, estourando...

O dia de hoje não é nada.Quando olho as horas elas me escapam e quando pensam que ela se foram pra sempre, elas saltam dos visores e me avisam que lá estou eu e elas de novo, no mesmo lugar...

O tempo parece que não vai, ele só fica.

Mas as coisas mudam, eu vejo que mudam: o corpo enterrado era cheio de carne e agora são só ossos; o último capítulo da novela era inédito e agora foi reprise.

O tempo passa, mas ele é lento, e é lento porque eu o percebo, o quero, o aperto entre os dedos.

Estou confusa! O que eram três tempos agora é só um.

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Dispersão


Hoje eu estou dispersa.


Me sinto aflita e inquieta.


Devia me concentrar!!! Tenho tanto trabalho pra fazer!!!


E na tentiva de despejar o que me consome e me acelera sem direção, vim para cá outra vez, meu refúgio de mim mesma.


As letras sempre me foram amigas preciosas, generosas e pacientes, e agora sinto que só com auxílio delas encontro o prumo do dia de hoje.


A vida de agora não é exatamente que eu planejei, mas é exatamente a que eu construi. Os meus esforços e os meus não esforços me fizeram chegar bem aqui, nesse pontinho do mistério do universo, e é bem daki que eu sinto a insatisfação desse ponto.


Não que seja ruim de fato, mas é ainda pouco, é ainda estéril, dependente e pouco criativo.


Me sinto com asas, mas pesada demais pra levantar vôo.


E o excesso de peso quero agora despejar aqui, aliviar-me das multidões de pensamentos, selecioná-los, lapidá-los e aí sim, voar para um outro ponto universal.


Hoje eu quero ter condições de ir além. Quero arcar com o esforço dessa viagem.


Eu só quero ir. Só quero chegar lá e ver como é.


Já conheço o mapa, agora é hora de conhecer a estrada.


hummmmmmmm,


Já me sinto melhor, mais uma vez, obrigada queridas companheiras.

sexta-feira, 10 de julho de 2009

A vida

Eu quero vida!!!

Eu quero aquilo que me invade e me deixa plena!

Eu quero algo pr ame salvar de mim mesma!!!!

O buraco negro do meu vazio voltou a ativa!

Socorro!!!

Preciso daquela corda que me agarro quando a lama encobre meus olhos.

Essa não é a vida que eu quero!!! Essa não é a tarde de sexta que eu preciso!!!!

Eu preciso de vida! De ânimo! De fogo! De entusiasmo!

Até que me esforço! Tento não ser uma vítima casual do tédio contemporâneo, mas daí, aaaaaaaaaaaaaaaaa, daí meus esforços minguam, e a correnteza me arrasta para longe, para o escuro, para a morte, para o vazio.

Alguém!!! Qualquer um!!!!

Qualquer pessoa que tenha a cabeça recheada de idéias, de piadas sem graça, de um álbum de fotografia e de disponibilidade no meio da tarde, qualquer um que se encaixe nesse perfil, por favor, me socorre de mim mesmo!!!!

Eu tenho esperança que esse nobre cavalheiro andante, ou que essa nobre amazonas, logo logo chegará até mim... vários outros e outras já chegaram. O problema é que o resgate tem prazo de válidade..... pois é....

Sou um produto do meu tempo, aprendi a consumir a descartar....

Efêmero socorro, não tarde por demais, venha, me econtre, me leia, me salve....

Eu preciso de vida....

Eu, eu, eu, eu e eu.

quinta-feira, 9 de julho de 2009

O tempo


Está ficando pertinho do meu aniversário outra vez!

Só que agora são 26 aninhos!!!

É sério!!! O tempo passando me assusta!!! E me encanta também!

É uma fascinação e aflição com a passagem do tempo tão grande, que até na minha monografia de final de curso, eu falei sobre ele, o tempo.

E o meu tempo é um tempo esquisito. Quando preciso dele, ele voa. Quando não preciso, ele se arrasta!!! Risos!!!

Não deve ser só o meu, não é mesmo?!

E daqui mais uns diazinhos eu tenho mais anos concentrados na minha vida, nos meus olhos, na minha pele, no meu coração.

Quando eu sinto que o tempo está passando e que isso é necessário, me acalmo e me alegro em perceber que as coisas passam, que a mudança existe, que as estruturas se abalam e que eu me destruo, me destroem, e ainda assim eu estou aqui!

A vida é cheia de sabores e de solidão. Ao menos assim é a minha. E quando corro pra cá está no momento mais insípidos, desbotados, desafinados... Mas sempre achei o feio bonito, e quando releio, acho lindo.
Espero que os próximos dias façam o final dos 25 anos serem valorozos!!!! E que ao completar os 26 no próximo dia 22, a constituição de mim prossiga em marcha.


E desde já,

sábado, 16 de maio de 2009

Essa noite

Sei não, mas o dia de hoje está diferente. Eu estou diferente. Diferente de ontem, mas devo estar igual a anteontem.

Hummm.....

Que canseira, esse grande enui me consome.

Mas fazer o que pra mudar? Não quero! É sábado a noite, e eu só quero ficar aqui, dentro do meu pijama surrado, trancafiada em mim mesma, o único lugar seguro.

Eu queria que hoje a noite de sábado pegasse fogo! Mas á.... Não quero ir pra lugar nenhum não.

Sabe aquele dia que vc se ver feia e que nada agrada de verdade? Hoje é esse dia...

Ainda bem que já é noite e amanhã é outro dia!!!

Vou ficar aqui mesmo, ver um dvd, assistir caminnho da Índia, pedir uma pizza, e dormir com o namorado, e essa parte é literal, dormir mesmo!

Isso deve ser tpm, não é? Tpm é um treco que justifica quase tudo, e eu realmente sofro de tpm!!! Hoje é o dia da tpm!!!!!!!!!!

Ela me vence!!! Eu me rendo!!!

Fico em casa, na pasmeira da vida, é mais um dia como outro qualquer! Depois outras atividades retornam pra minha vida.

Ao menos tem cia pra noite não ser totalmente solitária. Se bem, que a alguns meses atrás, quando eu ficava muito tempo só, até q não era tão ruim. Ficar só faz você se conhecer mais, e isso aconteceu comigo.

hoje eu me decido ficar aqui e faço com segurança, e não porque é a única opção, mas porque é a opção que eu escolhi.

E ele vai chegar e me dá um beijo enorme e tudo vai parecer mais colorido. Hahahahahahahahha!!!!
eu vou me esforçar pra ser assim!

A noite já avança, e eu vou ir ver tv, ou ler algo interessante. De repente, um outro blog.

Vou indo.

Tchau.

quinta-feira, 7 de maio de 2009

O sentido da vida?


Ao me por diante de um tema tão relevante me sinto sem reflexões plausíveis, e no entanto, sigo refletindo constantemente, mesmo que eu não queira, e me volto a esse foco e tudo me leva a questioná-lo, a pensá-lo, a tentar entendê-lo.


Muito provavelmente não há um sentido pra vida e sim milhões deles, indo dos mais superficiais aos mais reclusos nos profundos da alma humana. Até porque somos seres múltiplos enquanto nós mesmo e variamos nos sonhos e nos desejos.


É certo que cada um de nós que habita esse planetinha no meio de um universo gigante, que a gente nem sabe se é só um mesmo, e que pensá-lo é algo aterrorizante pelo simples fato de não haver respostas que deem o regalo necessário a nossa dúvida; somos sem medida, um mundo a parte, que nenhum outro indivíduo da especíe humana é capaz de conhecer em suas reais limitações.


Cada um é algo infinito, fluído, variado, inconstante, mutável, líquido. É por isso que sentidos à vida são tão importantes!!!!! É quando descobrimos esses sentidos que nos tormanamos de alguma maneira mais enrijecidos, mais sólidos, mais firmes, mais enraizados. Descobrimos uma zona de conforto, um porto seguro, e bem; quem não quer segurança?!


Mas esse (s) sentido (s) é sem dúvida penoso e conflituoso. Como saber se aquilo de fato lhe dará sentido? A mim parece absurdo que milhões e milhões de pessoas se motivem em direção a pertences e aparências para darem significados aos seus mundos!


Como pode alguém se reconhecer numa marca de roupa? De carro? De maquiagem? De computador? De sapato? ou seja lá do que for? Como assim as pessoas se acimentam em marcas publicitárias???? Que sentido norteador mais desgovernado é esse?


Na verdade esse é o sentido dado pelo nosso estilo capitalista de vida, onde quem tem mais supõem-se mais. E são justamente essas pessoas que tem que se tornam referencial pro indinvíduo da classe média, que sofre por tentar não ser pobre e para ser rico, numa corda bamba mensal; e que também move o pobre da favela, que não entende por que o outro tem e ele não?! E pra alcançar o seu sentido de vida, que está ali naquele produto caro, rouba, mata, trafica....


Não estou ligando a pobreza à violência e sim a violência à busca desenfreada pelo poder de aquisição de bens que deem algum sentido a vida de milhões de pessoas vazias. Para o pobre que nada tem é a chance de ter algo; para o que tem algo, é a chance rápida de se inserir no ról dos que tem muito; e para o que tudo tem é o mecanismo para ter tudo aquilo que o outro jamais vai conseguir ter.


Precisamos refletir em que tipo de mundo somos nós, e que tipo de megamundo formamos ao nos unirmos em sociedade. É essa sociedade, de sentidos corrompidos que queremos? Não é possível que todos deem as costas a algo tão importante, a algo tão decisivo: a decisão sobre o qual o sentido da sua vida!


Tomemos a rédia dos nossas ações, pensemos sobre elas!! Que o consumo não seja a salvação de nós mesmos, perdidos na imensidaão de nosso universo vazio. Que possamos preenche-lo de outros sentidos, pela simples necessidade da sobrevivência, por que dói muito ser vazio, acredite!!! Eu sei! Eu já estive vazia, e dói absurdamente!


Qual sentido afinal? Isso eu não sei, mas sei quais os sentidos não são: não são os voltados para o consumo que me garantam alguma aparência recheada de um forjado status quo. Me rendo aos encantos da amizade, da liberdadee, do respeito a mim e ao outro, à família, às lutas sociais, aos prazeres da arte, da carne, do conhecimento e do amor. E daí tanto faz com que roupa eu vou, com que carro eu chego, com que perfume eu me preparo. Tanto faz!!! Esses não são os critérios principais, esses são os adornos da liberdade de cada um se identificar com o que o expressa mais para o grupo.


É isso. Como eu queria que o megamundo mudasse! Queria que os sentidos fossem todos duradouros em contraponto a nossa inconstância, mas ressalto: não quero que todos pensem d amesma forma, eu gosto da diversidade e da divergência, eu só queria que todos pensassem, e nesse exercício deescobrissem o que de fato os deixaria na rota do porto seguro e não a deriva de uma sociedade excludente e egoísta. Só isso.

quinta-feira, 30 de abril de 2009

sem vcs

Quero meu povo!

Quero meu pai, minha mãe, meu irmão e meu outro irmão.

EU QUERO!!!

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Alienação

Fico impressionada como estar fora dos padrões incomodam as demais pessoas.Sejam elas ou os outros que estejam. Não importa! Incomoda mesmo assim!

Sinceramente, por tanta pressão externa as vezes me constranjo por estar fora de padrões, como por exemplo o de beleza magra.

Mas isso passa bem rápido, porque está distante desses ditâmes me põe também distante de pessoas que não são nada além da reprodução desses mesmos modelos e não esperam mais nada dos outros além disso.

Estar "out" me introduz num ambiente onde os seres humanos são também pensantes!!! São na grande maioria respeitadores da diversidade e amantes do original, da criatividade e do individual.

Coisa extremamente farta longe desse tipinho de gente que te olha e aponta os "defeitos", como se fosse ela mesmo o referencial de perfeição.

Mas tá tudo certo, os alienados e reprodutores de identidades vivem felizes e bitolados nos seus róls de igualdades...

...E no mais, esse povo nem lê esse tipo coisa. Vivem na santa paz da ignorância.

Ainda bem que em algum momento da vida eu acordei e acabei bem aqui, do jeito que sou.