quarta-feira, 17 de março de 2010

Dos momentos de solidão


Agora é noite e eu estou sem ninguém por perto.


Abdiquei da companhia dos meus para estar aqui de vigilia.


Fico no posto. Mas sinto-o densamente.


As vezes tenho certeza de que só assisto a vida passar por mim; que não faço benéfico, e em contrapartida, diversas atitudes maléficas.


É, eu vejo a vida passar.


O bilhete para ser passeigeira eu consigo ver que estar à venda, mas o preço é alto, e eu estou murrinha, não quero pagar.


Isso me chateia. Quero mais e não faço nada por isso.


Isso me envergonha.


Que coisa mais feia Michelle!!


Acorda!!! Que a vida é dura só pra quem é mole!!!


Mas agora é noite, me rendo ao cansaço da expectativa.

4 comentários:

poeta do inverno. disse...

acredito que nós é que somos passantes e a vida é o nosso transporte, pena que não sabemos certamente qual o destino... mas suas frases fez me refletir, e no escuro da noite acordar para a vida.
saudações.

Joakim Antonio disse...

Às vezes mesmo sendo hora de agir, paramos para pensar no que está acontecendo e no que poderá vir a ser. Então descansamos e nos renovamos para, no outro dia, agirmos em dobro.

E quem sabe também agirmos juntamento com nosso par.

Abraços.

Por que você faz poema? disse...

Viver é se permitir a solidão, a quietude, o silêncio; a melhor companhia ainda é o espelho.

Re Fagundes disse...

Momentos de ostra são necessários para reavaliarmos sentimentos, atitudes e nos tornarmos mais fortes, maduros.

Grande beijo menina

Adorei seu cantinho